Restos mortais de cavaleiro medieval são descobertos em Hereford

Restos mortais de cavaleiro medieval são descobertos em Hereford

Arqueólogos descobriram em 2015 um esqueleto de um cavaleiro medieval enterrado na Catedral de Hereford, na Inglaterra. Juntamente com essa ossada, também foram achados cerca de 2500 esqueletos, incluindo uma pessoa que tinha lepra e uma mulher com uma mão decepada.

A Catedral se localiza a 230 km de Londres e foi construída no século XII e servia como um lugar para culto e, posteriormente, cemitério.

Catedral de Hereford

 

O Cavaleiro encontrado media cerca de 1,70 metros e tinha traumas graves em seu ombro direito, dez  traumas em suas costelas e em sua perna esquerda. Ele era o esqueleto com maior número de ossos quebrados encontrado no sítio arqueológico. 

De acordo com a análise do esqueleto, o cavaleiro tinha cerca de 45 anos de idade ou mais quando morreu e foi enterrado em uma cova forrada de pedra, um tipo de sepultura muito usada entre os séculos XII e XIV. 

 

Quatro costelas do cavaleiros mostravam que essas fraturas já estavam cicatrizadas, que podem ter ocorrido simultaneamente. Outras costelas estavam em processo de cura, o que verifica que o homem ainda estava se recuperando de seus ferimentos quando faleceu. Outra evidência de trauma estava localizada na parte inferior da perna esquerda que poderia ter sido causada por um golpe direto.

Análises feitas na ossada revelaram que estava faltando três dentes e que ele, provavelmente tenha crescido na Normandia e se mudado, mais tarde para Hereford, a cidade onde está localizada a Catedral.

Infelizmente, é impossível saber o que feriu o cavaleiro de forma fatal, mas os ferimentos encontrados na ossada são compatíveis com aqueles que os nobres ganhavam em torneios ou justas, ou seja, nenhuma das feridas foram causadas por armas afiadas, são todas traumas por força.

Há outras ossadas interessantes no local, como as de um homem com lepra e uma mulher com a mão decepada. O homem com lepra contava com, provavelmente 20 anos quando faleceu e teria a mesma altura que o cavaleiro. Sabe-se que o homem tinha lepra, pois as pessoas com essa doença geralmente eram enterradas em terrenos separados por causa do estigma que essa doença trazia. Com relação à ossada da mulher com a mão decepada, os arqueólogos não conseguem afirmar com certeza o que ocorreu, uma vez que a punição para os ladões da época era cortar a mão, mas não está totalmente claro por que uma suposta ladra seria enterrada nos terrenos da Catedral.

 
 

Gostou do post? Compartilhe e nos siga nas redes sociais Facebook Twitter Instagram  e se inscreva no nosso canal no Youtube!!

Por Juliana Hembecker Hubert